EXAME FÍSICO CORAÇÃO

O profissional não poderá avaliar a função cardíaca sem antes examinar a integridade do sistema vascular. Os dois sistemas funcionam conjuntamente para enviar o sangue aos diversos órgãos, tecidos e células do corpo. Uma alteração na função cardíaca manifesta-se por alterações ocorridas no sistema vascular periférico. O profissional devera avaliar também os fatores de risco associado a doença cardíaca incluindo fumo, consumo de álcool, desnutrição e padrões de exercício físico 


O profissional poderá iniciar o exame pela região cardíaca e depois examinar o sistema vascular periférico, ou vice-versa. De qualquer modo, o método escolhido devera ser organizado. Quando se realiza um exame completo, e mais fácil ir de uma avaliação do tórax para o coração. O paciente devera estar em uma posição confortável, com o tórax devidamente exposto para exame. 


Coração 

A avaliação das funções cardíacas e realizada pela região anterior do tórax O examinador elabora mentalmente a imagem de localização exata do coração. No adulto, o órgão esta localizado no centro do tórax (precordial), atrás e a esquerda do esterno, com uma pequena parte do átrio direito estendendo-se a direita do esterno. A base do coração e a porção superior e o ápice e a ponta inferior. A superfície do ventrículo direito compreende a maior parte da superfície anterior do órgão. 




Uma parte do ventrículo esquerdo forma o lado esquerdo anterior do ápice. O ápice do coração realmente toca a parede anterior do tórax, aproximadamente na altura do quarto para o quinto espaço intercostal, ao longo da linha hemiclavicular, conhecido como o ictus cordis (choque da ponta). 


Para a melhor compreensão o profissional precisa conhecer a sincronia em relação do ciclo 
cardíaco. O coração em condições normais, bombeia o sangue através dessuas quatro camarás. 


Durante o fluxo sanguíneo em cada câmara alguns eventos ocorrem: válvulas abrem e fecham as pressões internas das câmaras aumentam e diminuem as camarás se contraem. Cada evento cria sinal fisiológico perfeitamente detectável pelo examinador. 



O exame deve ser iniciado com o paciente em posição de supina cão ou com a parte superior do corpo levemente elevada, pois pacientes com doenças cardíacas frequentemente sofrem de falta de ar se ficarem deitados em posição horizontal. O examinador se posiciona em pé, ao lado direito do paciente, que deve se abster de falar, especialmente durante a auscultação das bulhas cardíacas. 



Inspeção e palpação 



Estes dois métodos são aplicados simultaneamente. O angulo de Louis se localiza entre o manúbrio e o corpo do esterno e pode ser percebido como uma protuberância no esterno. O profissional poderá correr os dedos para baixo em cada lado desse angulo ate sentir o segundo espaço intercostal. O segundo espaço intercostal no lado direito do corpo do paciente e o foco aórtico e o mesmo espaço do lado esquerdo e o foco pulmonar. A palpação profunda e necessária na percepção desses espaços em pacientes obesos ou naquele que apresentem os músculos peitorais muito desenvolvidos. Utiliza-se a palma da mão para a palpação das vibrações. As pulsações são percebidas de modo mais eficiente com as pontas dos dedos. Ao se palpar uma vibração ou pulsação esta ocorrência deve ser avaliada em relação a sístole ao a diástole através da auscultação das bulhas cardíacas. 



Percussão 



Este método e raramente utilizado durante a avaliação de um coração adulto. Os estudos de raios X do tórax são muito mais eficientes na determinação do tamanho do coração. Nas crianças, a percussão pode detectar mais facilmente os limites dos órgão, devido a proximidade do mesmo em relação a parede torácica. 



Auscultação 



A auscultação cardíaca e executada para detectar as bulhas cardíacas normais, os sons extra cardíacos e os sopros. Ao dar inicio a exame de um paciente, o profissional devera explicar-lhe o procedimento a ser seguido, para diminuir a ansiedade do mesmo. Em paciente do sexo feminino será necessário erguer a mama esquerda para melhorar a audição da parede torácica. 



O objetivo do profissional e de identificar a primeira e segunda bulhas cardíacas. ( B1 e B2 ). 



Apos ter avaliado a frequência e ritmo cardíacos, o profissional devera especial atenção a natureza das bulhas cardíacas, através da comparação de B1 e B2. A intensidade, timbre e duração devem ser observados e os resultados normais são: 



Foco aórtico: B2 a mais intensa possível, mais alta que B1. 



Foco pulmonar: B2 mais intensa que B1. 



Foco tricúspide: B2 mais suave que B1. 



Foco mitral: B2 mais suave que B1. 



Qualquer falha do coração quanto ao ritmo de batimento em intervalos sucessivos e regulares constitui uma arritmia. O profissional poderá avaliar o déficit de pulso por meio de um dos procedimentos a seguir: (1) mede-se um pulso radial por 1 minuto e imediatamente depois verifica-se o pulso ictal, pelo mesmo período. Comparam-se os dados. (2) Um colega poderá avaliar o pulso ictal enquanto o examinador simultaneamente avalia o pulso radial do paciente. Qualquer diferença nas frequências devera ser comunicada ao medico imediatamente. 



Sopros 


Sopros são ruídos com características acústicas semelhantes aos ruídos de um fole provocados por alterações no fluxo sanguíneo através do coração ou por anormalidade no fechamento das válvulas. 

Os sopros podem indicar uma dificuldade do coração em bombear o sangue de modo eficiente. 

Sopros são relativamente comuns em crianças.